Pular para o conteúdo principal

Carta de um agressor arrependido

Por Kleidianne Nogueira.

* Obra de ficção baseada em estudos sobre agressividade masculina na adolescência.

Se vocês me permitem, mulheres, preciso bater um papo com esses garotos levados. Isso mesmo: vocês são nosso assunto predileto. Depois do futebol, claro!

Alguns de nós tem o pensamento equivocado de que as mulheres são inferiores. Gostamos de tratá-las como crianças inúteis. Gostamos de dominá-las e humilhá-las publicamente. Era isso que eu fazia na escola com minhas colegas e em casa com minhas irmãs.

Ninguém me alertou sobre o caos em que poderia se tornar a minha vida adulta. Em resumo, destruí a minha vida e quase matei aquela a quem prometi amar e proteger. Por isso, decidi alertá-los enquanto é possível controlar seus impulsos agressivos e construir um futuro diferente do meu.

Sei que a maioria de vocês não vai admitir, mas sente falta de gentilezas, afeto, amizades verdadeiras. Vocês sentem muita raiva, tristeza e abandono. Sei que vocês tem dificuldade de comunicar essas carências uns aos outros e os mais estressadinhos abrem logo a boca, magoando todo mundo. É difícil interagir, eu sei! Mas entendam que ser agressivos com as meninas só vai piorar tudo. Gentileza é que geragentileza.

Também sei que estão numa fase em que é difícil encontrar soluções para os problemas. Principalmente se esses problemas envolvem mulheres. Mas o meu conselho é: relaxe e reflita. A solução aparece quando menos se espera.

Outro Conselho que dou por experiência própria é: Não se afogue em bebidas. Se você tem problemas para controlar seu ciúme e sua agressividade, o álcool pode e vai piorar tudo. Seus pais bebem, seus avós bebem, a vizinhança toda bebe,  mas você não precisa beber. Faça diferente e preserve-se.

E o mais importante, sei que vocês se sentem inadequados. No final das contas a agressividade não passa de uma defesa que usamos erradamente para resolver nossos conflitos. Nós não acreditamos no nosso potencial para enfrentar a vida e acabamos por ser agressivos com as meninas para nos sentirmos superiores. 

Mas não somos superiores. Somos homens com grandes capacidades e potenciais, mas não somos superiores. Somos todos iguais e vocês precisam construir hoje o homem que querem ser amanhã. 

Cultivem a gentileza, o respeito mútuo. Reflitam sobre as próprias atitudes em relação às mulheres que conhecem e não se deixem levar pela correnteza de violência que tem invadido os relacionamentos.

Mulheres não são objetos, nem sacos de pancada. Bater em mulheres não lhe torna mais macho, mais poderoso. Bater em mulheres destrói vidas, sonhos, projetos. Incluindo a sua vida, os seus sonhos.

Não passe adiante a ideia de que ser agressivo com mulheres é aceitável. Comece a mudar essa ideia hoje. Não queira para você o futuro que eu infelizmente encontrei.

Postagens mais visitadas deste blog

A carta convertida

Oi, amores!

Antes de mais nada, convido você que ainda não leu o texto A Carta a clicar no link e espiar o texto que antecedeu A Carta Convertida.

Como contei , esse é o tipo de texto que vem chegando na nossa mente sem que haja uma intenção nossa de desenvolver determinado tema. É a criatividade pura brincando com a gente. Quando terminei A Carta, logo me ocorreu A Carta Convertida, com trechos de músicas evangélicas.

Me diverti bastante escrevendo e gostaria muito que vocês se divertissem também.


A Carta Convertida
Por Kleidianne Nogueira


Eu posso te saudar
Com a paz do Senhor.

Estou no meu jardim, tranquei a porta e comecei a escrever esta carta. Não se espante com o que vou dizer.

Eu quis viver a minha vida sair por aí. Eu andei sem destino, perdi a razão. Oh! Quão cego eu andei!

Certo dia parei procurando encontrar resposta. Entrei no templo, dobrei os meus joelhos em fervente oração. Descobri a fé, minha vida floresceu. Eu encontrei Jesus, que mudou a minha história.

Desde então…

A mãe que não ama.

Oi, gente boa!
O tema do texto de hoje é muito delicado: a depressão pós-parto e a nossa tendência a julgamentos e condenações. Senti a necessidade de falar sobre esse tema após viver a depressão pós-parto e sentir na pele como é uma condição difícil de viver, de explicar, de conviver... enfim, difícil. 
Como se não bastasse sofrer o próprio transtorno, ouvimos todo tipo de comentário condenatório. Algumas pessoas não sabiam que eu estava em tratamento e falavam sobre outras mães com o mesmo problema de forma muito direta condenando-as.
É preciso falar que esses julgamentos não ajudam de modo algum a mãe que sofre de depressão (muito pelo contrário). Esses julgamentos não ajudam em nada à pessoa que os emite. Então, vamos evitá-los, pois são ao mesmo tempo inúteis e destrutivos.
Um grande abraço bem apertado em todas as mães que não amam. Eu entendo vocês. 

A mãe que não ama.
Por Kledianne Nogueira.

Ah, a mãe que não ama!
Que bicho estranho!
De que planeta ela veio?
Para onde vai eu se…

Síndrome da Mulher Dividida

Por Kleidianne Nogueira



Tenho uma mente moderna e um coração antigo. O resto do corpo está perdido no tempo.

Disponho-me a alcançar a lua e meu intelecto projeta os caminhos, mas meu coração prefere ficar em casa cosendo e cozinhando.

Se pelo menos eu soubesse coser... Se não doesse tanto ir à lua... Seria mais fácil decidir se quero cama ou rua.