Pular para o conteúdo principal

A carta

Olá, pessoal!

Às vezes a criatividade pega a gente e brinca de roda. Com o texto de hoje foi assim. Ouvindo "Caminho de Pedra", na voz de Caetano Veloso, achei que combinava com "De volta pro meu aconchego". E uma música após a outra foi me ocorrendo como se todas se combinassem.

Um texto mais leve, com um toque de humor que me encanta. Espero que encante a vocês também.


Por Kleidianne Nogueira



A Carta
Por Kleidianne Nogueira

Amiga, parceira

Eu só quero que você saiba que estou pensando em você. Volta logo pra São Paulo ou eu vou pra Madri.

Subi o caminho de pedra onde não vai ninguém e estou de volta pró meu aconchego. Na verdade, queria era ter uma casinha branca de varanda. Mesmo assim, estou a dois passos do paraíso.

E nessa longa estrada da vida, olha que coisa mais linda, mais cheia de graça eu encontrei: um girassol da cor do seu cabelo.

Poderia estar agora no espaço em um módulo lunar, só que é uma ideia que existe na cabeça e não tem a menor pretensão de acontecer. Porquê, senão, como seria essa vida?

Mas tudo o que acontece na vida tem um momento e um destino. E hoje eu acordei com uma vontade danada de mandar flores ao delegado. Afinal, há flores em tudo o que vejo.

De tarde, quero descansar. Passar uma tarde em Itapoã. Vamos? Tem espaço na van.

E quando a noite chegar a gente vai pra algum lugar ou posso por uma toalha e te servir o jantar. Ao ar livre, sob aquela lua que brilha lá no céu tão natural quanto a luz do dia.

Tu disseste na última carta que tu virias numa manhã de domingo. E tudo isso foi no mês que vem. Ah, vida real... Quanto tempo será que demora um mês pra passar?

Saiba que quero você de janeiro a janeiro me vistando. Te empresto minha rede branca, meu cachorro ligeiro.

Por favor, mande o meu alô galera de cowboy é pra torcida do Flamengo, aquele abraço.

Se é por falta de adeus, bye bye.

Postagens mais visitadas deste blog

A carta convertida

Oi, amores!

Antes de mais nada, convido você que ainda não leu o texto A Carta a clicar no link e espiar o texto que antecedeu A Carta Convertida.

Como contei , esse é o tipo de texto que vem chegando na nossa mente sem que haja uma intenção nossa de desenvolver determinado tema. É a criatividade pura brincando com a gente. Quando terminei A Carta, logo me ocorreu A Carta Convertida, com trechos de músicas evangélicas.

Me diverti bastante escrevendo e gostaria muito que vocês se divertissem também.


A Carta Convertida
Por Kleidianne Nogueira


Eu posso te saudar
Com a paz do Senhor.

Estou no meu jardim, tranquei a porta e comecei a escrever esta carta. Não se espante com o que vou dizer.

Eu quis viver a minha vida sair por aí. Eu andei sem destino, perdi a razão. Oh! Quão cego eu andei!

Certo dia parei procurando encontrar resposta. Entrei no templo, dobrei os meus joelhos em fervente oração. Descobri a fé, minha vida floresceu. Eu encontrei Jesus, que mudou a minha história.

Desde então…

A mãe que não ama.

Oi, gente boa!
O tema do texto de hoje é muito delicado: a depressão pós-parto e a nossa tendência a julgamentos e condenações. Senti a necessidade de falar sobre esse tema após viver a depressão pós-parto e sentir na pele como é uma condição difícil de viver, de explicar, de conviver... enfim, difícil. 
Como se não bastasse sofrer o próprio transtorno, ouvimos todo tipo de comentário condenatório. Algumas pessoas não sabiam que eu estava em tratamento e falavam sobre outras mães com o mesmo problema de forma muito direta condenando-as.
É preciso falar que esses julgamentos não ajudam de modo algum a mãe que sofre de depressão (muito pelo contrário). Esses julgamentos não ajudam em nada à pessoa que os emite. Então, vamos evitá-los, pois são ao mesmo tempo inúteis e destrutivos.
Um grande abraço bem apertado em todas as mães que não amam. Eu entendo vocês. 

A mãe que não ama.
Por Kledianne Nogueira.

Ah, a mãe que não ama!
Que bicho estranho!
De que planeta ela veio?
Para onde vai eu se…

Síndrome da Mulher Dividida

Por Kleidianne Nogueira



Tenho uma mente moderna e um coração antigo. O resto do corpo está perdido no tempo.

Disponho-me a alcançar a lua e meu intelecto projeta os caminhos, mas meu coração prefere ficar em casa cosendo e cozinhando.

Se pelo menos eu soubesse coser... Se não doesse tanto ir à lua... Seria mais fácil decidir se quero cama ou rua.