Pular para o conteúdo principal

"Depressão não é coisa de crente", por isso, vamos tratar.

Oi, amores!

Compartilho com vocês mais um texto baseado em experiências pessoais. Tema polêmico, título irônico e o bafafá foi gigante no Facebook. O tema me expôs, mas achei necessário para despertar outras pessoas que sofrem em silêncio. Precisamos falar sobre transtornos mentais no meio evangélico e ajudar a quebrar os preconceitos que aprisionam a muitos em vidas cheias de conflitos e solidão.



"Depressão não é coisa de crente", por isso, vamos tratar.
Por Kleidianne Nogueira.


Pelo menos uma dezena de transtornos mentais tem debilitado nossa geração. Um diagnóstico recente de sério agravo ao sistema nervoso me inclui. Se fôssemos verdadeiramente conscientes da graça maravilhosa e andássemos em comunhão plena com Deus, não haveria espaço em nossas mentes para nada além de paz e contentamento. Mas o IDEAL raramente é o REAL.

Em nossa imperfeição, deixamos que as aflições do mundo nos tornem indiferentes ao conselho de Cristo: TENDE BOM ÂNIMO! Perdemos o foco e, apesar de tentar desesperadamente andar com Deus, não enxergamos mais a vida como um exercício para a eternidade e sim como um castigo antecipado.

À medida que um transtorno mental progride, experimentamos a sensação de total descontrole. Temos consciência de que nossos problemas tem soluções possíveis, mas não conseguimos enxergá-las.

Quero encorajar você a procurar ajuda. Ao me expor, quero contribuir para a quebra do paradigma de que crentes/evangélicos não precisam ou não devem procurar tratamento para as doenças da mente porque "depressão não é coisa de crente".

Concordo. Não deveria ser. Mas agarrados a essa afirmação, alguns de nós deixam de procurar tratamento para uma DOENÇA. Estou certa de que uma vida ideal com Cristo pode manter nosso corpo e mente mais saudáveis, mas nós adoecemos.

Como um câncer de mama ou uma fratura do fêmur, além de orar pela cura, nós devemos procurar tratamento para um transtorno mental. Não deixo de honrar a Deus ao demonstrar minha fraqueza e procurar um terapeuta. Pelo contrário! Se esse terapeuta professar a mesma fé que eu, certamente estarei tratando o que me impede de adorar a Deus em espírito e em verdade.

Por isso, antes que percamos mais vidas por puro preconceito, façamos o seguinte:

👉 Não vamos nos constranger. Vamos assumir que estamos doentes. Mente e corpo estão sujeitos de igual modo a enfermidades;

👉 Vamos procurar tratamento. Inúmeros profissionais estão aptos a tratar dessas doenças. Muitos deles crentes.

👉 Vamos cuidar da nossa alimentação. A Bíblia diz que nosso corpo é um templo e estou convencida de que o modo como o alimentamos interfere diretamente na nossa saúde mental e espiritual.

👉 Não deixe de buscar a Deus! Mesmo que não faça sentido agora. Mesmo que a única coisa que você tenha a entregar a Ele sejam lágrimas. Somos corpo (matéria), alma (mente) e coração (espírito). Se uma de nossas três constituições adoece e não é tratada, acaba adoecendo as demais. Como ouvi de um profissional, os médicos podem nos ajudar a tratar mente e corpo, mas o espírito somente Cristo pode tratar.

Postagens mais visitadas deste blog

A carta convertida

Oi, amores!

Antes de mais nada, convido você que ainda não leu o texto A Carta a clicar no link e espiar o texto que antecedeu A Carta Convertida.

Como contei , esse é o tipo de texto que vem chegando na nossa mente sem que haja uma intenção nossa de desenvolver determinado tema. É a criatividade pura brincando com a gente. Quando terminei A Carta, logo me ocorreu A Carta Convertida, com trechos de músicas evangélicas.

Me diverti bastante escrevendo e gostaria muito que vocês se divertissem também.


A Carta Convertida
Por Kleidianne Nogueira


Eu posso te saudar
Com a paz do Senhor.

Estou no meu jardim, tranquei a porta e comecei a escrever esta carta. Não se espante com o que vou dizer.

Eu quis viver a minha vida sair por aí. Eu andei sem destino, perdi a razão. Oh! Quão cego eu andei!

Certo dia parei procurando encontrar resposta. Entrei no templo, dobrei os meus joelhos em fervente oração. Descobri a fé, minha vida floresceu. Eu encontrei Jesus, que mudou a minha história.

Desde então…

A mãe que não ama.

Oi, gente boa!
O tema do texto de hoje é muito delicado: a depressão pós-parto e a nossa tendência a julgamentos e condenações. Senti a necessidade de falar sobre esse tema após viver a depressão pós-parto e sentir na pele como é uma condição difícil de viver, de explicar, de conviver... enfim, difícil. 
Como se não bastasse sofrer o próprio transtorno, ouvimos todo tipo de comentário condenatório. Algumas pessoas não sabiam que eu estava em tratamento e falavam sobre outras mães com o mesmo problema de forma muito direta condenando-as.
É preciso falar que esses julgamentos não ajudam de modo algum a mãe que sofre de depressão (muito pelo contrário). Esses julgamentos não ajudam em nada à pessoa que os emite. Então, vamos evitá-los, pois são ao mesmo tempo inúteis e destrutivos.
Um grande abraço bem apertado em todas as mães que não amam. Eu entendo vocês. 

A mãe que não ama.
Por Kledianne Nogueira.

Ah, a mãe que não ama!
Que bicho estranho!
De que planeta ela veio?
Para onde vai eu se…

Síndrome da Mulher Dividida

Por Kleidianne Nogueira



Tenho uma mente moderna e um coração antigo. O resto do corpo está perdido no tempo.

Disponho-me a alcançar a lua e meu intelecto projeta os caminhos, mas meu coração prefere ficar em casa cosendo e cozinhando.

Se pelo menos eu soubesse coser... Se não doesse tanto ir à lua... Seria mais fácil decidir se quero cama ou rua.