Pular para o conteúdo principal

E o salário, ó!

Por Kleidianne Nogueira. 

E o salário, ó!
Por Kleidianne Nogueira.

Poucas tarefas da maternidade são tão desgastantes quanto orientar o dever de casa. Adicione os seguintes agravantes:
orientar dever de casa de uma criança de 3 anos; que (sabe Deus o porquê) usa livros produzidos para crianças de 6 anos; com outra criança de 1 ano do lado pedindo atenção o tempo todo. A cereja do bolo é uma mãe completamente impaciente com os processos de aprendizagem.
Lembro-me claramente de quão contraditória eu era na infância. "Professora!", eu respondia à famosa pergunta "O que você quer ser quando crescer?". Mas era só um coleguinha apresentar a mínima dificuldade de aprender que eu voava impaciente pra cima dele tentando forçá-lo a entender o que, para mim, era tão óbvio. Desrespeitava a professora, sugerindo que não cumpria seu papel, e ao colega, menosprezando sua dificuldade legítima.
Hoje é preciso muita passiflora pra controlar esse monstro "forçador de aprendizagem".
- Você acabou de fazer a sequência, Luiza! É só repetir!.
- Mas eu não sei!
Com 3 anos ela não deve mesmo saber nem o que significam sequência e repetir, imagina escrever os numerais de 0 a 9 umas  três vezes.
Não faz muito tempo que tomei consciência dá necessidade de controlar esse monstro. Eu dizia "Luiza, olha pra mim.", e ela reagia como se não tivesse ouvido nada. Então eu gritava "Luiza, olha pra mim!" e mesmo assustada com o grito, ela não olhava. Foi aí que me dei conta (pasmem) de que a minha filha de 2 anos não sabia o que significava a ordem "olha pra mim". Respirei fundo, amarrei o monstro junto com o sermão que estava tentando dar antes e fui ensiná-la a olhar pra mim quando eu pedisse.
Em pouco tempo ela aprendeu. Em pouco tempo (ainda na infância), mudei minha resposta de professora para pediatra. Até consegui passar no vestibular de nutrição, mas acabei me formando em comunicação. Hoje sou mãe em tempo integral. Yes! Exerço todas as profissões que almeijei. "E o salário, ó!"👌

Postagens mais visitadas deste blog

A carta convertida

Oi, amores!

Antes de mais nada, convido você que ainda não leu o texto A Carta a clicar no link e espiar o texto que antecedeu A Carta Convertida.

Como contei , esse é o tipo de texto que vem chegando na nossa mente sem que haja uma intenção nossa de desenvolver determinado tema. É a criatividade pura brincando com a gente. Quando terminei A Carta, logo me ocorreu A Carta Convertida, com trechos de músicas evangélicas.

Me diverti bastante escrevendo e gostaria muito que vocês se divertissem também.


A Carta Convertida
Por Kleidianne Nogueira


Eu posso te saudar
Com a paz do Senhor.

Estou no meu jardim, tranquei a porta e comecei a escrever esta carta. Não se espante com o que vou dizer.

Eu quis viver a minha vida sair por aí. Eu andei sem destino, perdi a razão. Oh! Quão cego eu andei!

Certo dia parei procurando encontrar resposta. Entrei no templo, dobrei os meus joelhos em fervente oração. Descobri a fé, minha vida floresceu. Eu encontrei Jesus, que mudou a minha história.

Desde então…

A mãe que não ama.

Oi, gente boa!
O tema do texto de hoje é muito delicado: a depressão pós-parto e a nossa tendência a julgamentos e condenações. Senti a necessidade de falar sobre esse tema após viver a depressão pós-parto e sentir na pele como é uma condição difícil de viver, de explicar, de conviver... enfim, difícil. 
Como se não bastasse sofrer o próprio transtorno, ouvimos todo tipo de comentário condenatório. Algumas pessoas não sabiam que eu estava em tratamento e falavam sobre outras mães com o mesmo problema de forma muito direta condenando-as.
É preciso falar que esses julgamentos não ajudam de modo algum a mãe que sofre de depressão (muito pelo contrário). Esses julgamentos não ajudam em nada à pessoa que os emite. Então, vamos evitá-los, pois são ao mesmo tempo inúteis e destrutivos.
Um grande abraço bem apertado em todas as mães que não amam. Eu entendo vocês. 

A mãe que não ama.
Por Kledianne Nogueira.

Ah, a mãe que não ama!
Que bicho estranho!
De que planeta ela veio?
Para onde vai eu se…

Síndrome da Mulher Dividida

Por Kleidianne Nogueira



Tenho uma mente moderna e um coração antigo. O resto do corpo está perdido no tempo.

Disponho-me a alcançar a lua e meu intelecto projeta os caminhos, mas meu coração prefere ficar em casa cosendo e cozinhando.

Se pelo menos eu soubesse coser... Se não doesse tanto ir à lua... Seria mais fácil decidir se quero cama ou rua.