Pular para o conteúdo principal

Trancas



Fez tudo como de costume. Abriu os cadeados um por um e, enquanto os colocava de volta trancados, jogou de qualquer jeito as sacolas sobre o sofá. A curiosidade, maior do que a vontade impaciente de aliviar a bexiga lotada, fez com que ligasse o celular ao carregador antes de seguir em direção ao banheiro. Numa cadeira seca e barulhenta, ficou sentada por um longo período bisbilhotando redes sociais de conhecidos e estranhos.

Lembrou-se, por fim, das sacolas e correu com as mãos na cabeça ao avistar a  terrível tragédia que ela mesma causou: na pressa por saciar seu vício não assumido em internet, deixou no sofá uma sacola com os pedaços de carne fresca que prepararia no dia seguinte.

- Eu sabia que a melhor opção era couro sintético, e não veludo! - balbuciou sozinha enquanto tentava remover aquela gosma nojenta que se espalhava no sofá recém-reformado. - Mas veludo é tão lindo... Deve haver uma forma de reverter essa burrice que cometi!

A tal forma, se havia, não chegou a ser concebida pela atrapalhada professora. Leves batidas em sua porta, em um ritmo conhecido, a fizeram correr para abri-la. Lá estavam novamente os cadeados.

- Que hora mais inoportuna para se ter tantos cadeados trancados. Se bem o conheço, tecerá comentários sobre a extrema segurança da casa. – Possuía esse hábito de resmungar sozinha. Ou até mesmo de ralhar com os móveis e os pobres cadeados que ela mesma comprou.

- Se pusesse mais uns desses, poderia entrar para o Guinness. Ficaria feliz em noticiar seu feito no nosso site. – A voz dele brincava, cumprindo sua previsão.

- Não exagere! Você sabe como é perigoso para uma jovem viver sozinha nesta cidade. Cautela nunca é demais! – E seguiu para o sofá cobrindo as evidências do crime cometido.

- Ora, veja! Menos de um mês e o sofá já tem marcas profundas da convivência entre vocês. Imagino como estará daqui a um ano. Precisa cuidar melhor de seus relacionamentos...

Corada, ela retrucou.

- Se veio apenas para fazer críticas ao meu modo de vida, ainda não devolvi os cadeados a seus lugares. A porta lhe serve?

- Desculpe. Prometo ser mais gentil com as palavras.

Uma poltrona afastada serviu de refúgio ao corpo cansado do jornalista. A professora, parecia desconfortável dentro da própria casa.

- Não deveria estar ainda na redação? Ou com um computador ligado? 

- Posso dizer com toda convicção, que o site seguirá tranquilamente sem minha supervisão. E não somente hoje. – Respondeu sem esboçar qualquer movimento.

- Então as ameaças de demissão eram verdadeiras?

- Não quero falar sobre isso.

E após um breve silêncio ele decidiu sobre o que gostaria de falar.

- Já viu a nova livraria que abriu no bairro? Parece que fica aberta até tarde. Vem comigo?

- Se puder esperar um banho...

- Espero. Mas insisto que você deveria se cuidar melhor. Você pensa que dará certo esse tal namoro virtual. Mas deixe só o indivíduo saber como você se comporta quando chega em casa. Depois que você chegou da escola, já correu tempo suficiente para tomar um banho e até preparar um jantar decente para um amigo cansado, faminto...

As paredes da sala ouviam suas palavras. Ela foi ao banheiro refletindo sobre o rabugento que adotou como amigo.

- Deve haver uma forma de reverter essa burrice que cometi! – E sorriu faceira. – Deve sim!

Postagens mais visitadas deste blog

Cordel das irmãs sem sorte

Por Kleidianne Nogueira 


Duas histórias distintas
De irmãs de mesma sina
Duas moças bonitas
Que a vida maltratou

Joana desavisada 
Que tão cedo se casou 
Com seu João Agressildo 
Que a chamava de amor

Já Maria Alegria 
Vivia a se mostrar
Namorava quem queria
Era tanta festa que ia
Que não dá nem pra contar

Um dia sua alegria
Transformou-se em pavor
E Maria, quem diria?
Sumiu com um tal doutor

Vivia tão diferente
Se afastou de tanta gente
Perdeu um dente da frente
E a irmã desconfiou

Acontece que Joana 
Já vivia em confusão
Pois o tal do bom marido
Era só decepção

Logo na lua de Mel
Deu-lhe um chute na canela
Não satisfeito o rapaz
Desdenhou do corpo dela

E entre tapas e gritos
Joana enfim despertou
Daquele inferno maldito
Com coragem se livrou

Foi atrás de seus direitos
Com a polícia retornou
Não deixou que o tapa virasse
Uma agressão que a matasse
Ela mesma se amou

Depois disso então Joana
Quis saber da irmã Maria 
Que histórias escondia
O namoro com o doutor

Descobriu que a irmã vivia
Bem maior desilusão
Que o homem se sentia
D…

Deus olha pra mim...

Por Kleidianne Nogueira

Deus olha pra mim e então Ele pensa: Que menina mais impulsiva essa que eu criei!
Já me vem novamente com aquelas orações emotivas e um rio de lágrimas. Me fala com tanta convicção dos planos que fez há apenas cinco minutos, que qualquer um poderia julgar serem os sonhos que carrega desde a mais tenra idade.
Mas eu não penso isso. Eu a conheço muito bem. Sei que é mais uma fase. Em pouco tempo essa falsa determinação se esvai. Com um simples sopro.
E fica nela uma frustração absurda por não alcançar objetivos que nem mesmo eram dela. Eram projeções equivocadas.
Novamente as lágrimas.
Já me acostumei a esses seus ciclos. Mas ela não. Insiste em sofrer por conta deles. Leva sem necessidade uma considerável carga de sentimentos ruins. Todos obviamente dispensáveis. Ao invés de se desfazer deles, se apega cada vez mais.
A ansiedade é o que mais a prejudica. Faz com que tente resolver os problemas o mais rápido possível. Quer mudanças. Quer soluções. Mas não quer e…

A carta convertida

Oi, amores!

Antes de mais nada, convido você que ainda não leu o texto A Carta a clicar no link e espiar o texto que antecedeu A Carta Convertida.

Como contei , esse é o tipo de texto que vem chegando na nossa mente sem que haja uma intenção nossa de desenvolver determinado tema. É a criatividade pura brincando com a gente. Quando terminei A Carta, logo me ocorreu A Carta Convertida, com trechos de músicas evangélicas.

Me diverti bastante escrevendo e gostaria muito que vocês se divertissem também.


A Carta Convertida
Por Kleidianne Nogueira


Eu posso te saudar
Com a paz do Senhor.

Estou no meu jardim, tranquei a porta e comecei a escrever esta carta. Não se espante com o que vou dizer.

Eu quis viver a minha vida sair por aí. Eu andei sem destino, perdi a razão. Oh! Quão cego eu andei!

Certo dia parei procurando encontrar resposta. Entrei no templo, dobrei os meus joelhos em fervente oração. Descobri a fé, minha vida floresceu. Eu encontrei Jesus, que mudou a minha história.

Desde então…